Browse By

Os teus Tweets já podem ser usados para fins científicos

PartilharShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Share on Tumblr0

twitter-science-def

O Twitter anunciou recentemente que todos os tweets podem ser usados gratuitamente para fins científicos. Até agora os investigadores podiam utilizar apenas 1% da informação gerada pelos utilizadores.

Com esta liberalização os cientistas podem agora procurar por padrões de comportamentos em qualquer tweet público desde que não refiram dados pessoais. Mensagens privadas estão proibidas.

Alguns exemplos de tweets com valor científico incluem investigadores da Microsoft que desenvolveram um algoritmo para prever casos de risco de depressão pós-parto a partir de tweets de grávidas e um instituto americano de Geologia que usa o microblog para detetar tremores de terra com base em mensagens no Twitter.

Partilha de várias fotos num só tweet, adição de filtros e taggar amigos na imagem.

As cores das fotos podem revelar, por exemplo, o estado de ânimo dos utilizadores do Microblog.

Desta forma, 500 milhões de mensagens tweetadas todos os dias tornam-se em dados preciosos para investigadores de vários campos da ciência, na sua maioria reações emocionais dos usuários a acontecimentos reais dos mais variados géneros, quer sejam pessoais, públicos, meteorológicos, ou de outro género qualquer.

Equipas de pesquisa podem, por exemplo, procurar padrões de comportamento e detetar fatores de risco para condições de saúde, controlando a propagação de doenças infecciosas.

Com esta abertura, o uso do Twitter como ferramenta de pesquisa deve aumentar, de acordo com a Scientific American. A novidade, contudo, levanta uma série de questões.

A dúvida é se microblog terá direitos legais sobre a pesquisa e se o uso das mensagens é ético, considerando que os usuários não têm intenção de contribuir para pesquisas.

Caitlin Rivers e Bryan Lewis, epidemologistas na Virginia Tech, sugerem que os cientistas jamais revelem nomes e deixem os objetivos das pesquisas disponíveis ao público. Além, claro, de usar somente mensagens públicas.

Segue-nos no Facebook e no Twitter e nunca percas todas as novidades.

Via: Scientific American

PartilharShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Share on Tumblr0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *