Browse By

Fire on Water – Uma vontade danada de viver a vida

PartilharShare on Facebook44Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Share on Tumblr2

fire-on-water-2Vimo-los pela primeira vez no RCA Club e gostámos da onda pouco comum dos Fire on Water. Marcaram-nos pela sonoridade rock blues, mas também pela presença enérgica em palco.

Fomos falar com Edgar Alves, vocalista da banda de Alenquer e descobrimos que têm uma vontade danada de viver a vida, vontade essa que os colocou em estúdio para produzir o primeiro álbum. Deverá estar à venda ainda este ano.

Buzzstop – Fire on Water numa palavra?

Edgar Alves – Fusão

Porquê Fire on Water?

Fire on Water está ligado aos elementos da natureza. Um é o fogo, que representa um dos membros da banda que sente uma paixão, uma alegria interior através da música ao vivo. Depois temos outro elemento, responsável pela composição dos nossos temas, que é a água.

Como nasceu a banda?

Os Fire on Water nasceram no ano de 2014, em Alenquer, a partir da vontade de três velhos amigos, que já tinham tocado juntos noutras bandas, e que quiseram criar um projeto com uma onda diferente das anteriores. Com o tempo essa sonoridade convergiu em rock blues.

Atualmente os elementos da banda são: Edgar Alves na voz; Sérgio Franco na bateria; David Marques no baixo e, mais recentemente, Nuno Monteiro, membro da formação original, na guitarra e nos teclados. Foi convidado com o objetivo de introduzir novas influências na banda.

É fácil compatibilizar a banda com a vida profissional?

Todos nós temos profissões paralelas à música. Nada é fácil na vida e não somos apenas músicos a tempo inteiro, mas fazemos tudo por gozo o que torna a arte e a música bem mais reais.

Como definem a vossa onda? Influências?

Rock/Blues, mas não estamos preocupados em rotular o nosso som porque os elementos da banda vêm de diferentes backgrounds musicais. O álbum em que estamos a trabalhar é sinal disso. Basicamente movemo-nos no rock puro e duro.

fire-on-water-1

Ao vivo no RCA Club | Foto: Paulo Maninha

Como é ter e gerir uma banda hoje em dia em Portugal? (Concertos, apoios de editoras, rádios, abertura de festivais e eventos?)

É uma luta constante, ainda trabalhamos sozinhos e não é fácil promover os Fire on Water e o nosso som. Neste momento, sou eu que tenho de tratar de tudo, desde o agenciamento à publicidade, passando pelo marketing e por outras cenas. 

Em 2015, todo o esforço acabou por compensar e tocámos em vários locais míticos como o Popular Alvalade – no concurso de bandas do Festival de Corroios (fomos à final da região de Lisboa), no Side B onde tivemos o privilégio de abrir para Quartet of Whoa – para mim uma das melhores bandas nacionais. Fizémos também a primeira parte do Slimmy – um génio musical portuense reconhecido a nível internacional, e atuámos com os nossos amigos Deserto numa das maiores casas de música ao vivo em Portugal, o RCA Club.

Foram muitos e bons concertos que nos permitiram alcançar um dos nossos objetivos: divulgar o nosso ep Fusion. Felizmente o público tem aderido e dá-nos um bom feedback.

Temos o contacto de várias editoras, mas só vamos concretizar esse passo quando tivermos o próximo álbum na mao. Também andamos a divulgar o “Fusion” em várias rádios e a receptividade tem sido bastante boa.

O ” Fire Walk With Us” tem passado na Antena 3, na Super Fm, na Popular Fm e em várias rádios online.

O nosso primeiro videoclipe “Desert Sands ” está a passar na RTP Internacional e noutras tv´s online.

SEGUINTE

PartilharShare on Facebook44Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Share on Tumblr2

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *